É quase unanimidade que o uso de madeira em uma construção denota resistência e sofisticação, além de conferirem um efeito estético muito bonito.

Seu uso não precisa ser exclusivo em composições rústicas, mas também concentrar-se em grandes centros urbanos, já que a madeira é um material versátil e sempre moderno.

Por sua alta resistência, a madeira tornou-se um ótimo material para ser utilizado nas construções, desde as obras das civilizações antigas até as atuais.

O que pouca gente sabe é que há diversos tipos de madeira, e cada um deles deve ser usado de acordo com o objetivo.

Nem todos são apropriados para qualquer projeto, por isso muitas vezes as pessoas se pegam em situações complicadas, que envolvem baixíssima vida útil ou pragas, como cupins.

Conhecer o tipo mais apropriado para cada situação é o primeiro passo para utilizar a força da madeira em uma construção.

Madeiras para Exteriores Para esse tipo de situação, há de se ter cautela na escolha.

Recomendam-se o uso de madeiras com características resistentes, como o Ipê, a Peroba, a Itaúba, a Teca e a Garapeira. A Peroba e a Teca são utilizadas, inclusive, na fabricação de barcos e navios, por sua resistência à umidade.

O Ipê é usado principalmente em telhados e coberturas, por se tratar de uma madeira muito rígida.

Para andaimes e escoramentos, o Pinho-do-Paraná foi um dos materiais mais utilizados durante décadas. Outros materiais também incluídos nesse grupo são o Cedrinho e a Jacareúba (madeira de peso médio com tonalidade rosada e superfície áspera).

A Jacareúba também é utilizada na fabricação de utensílios mais simples, como cabos de vassouras e rodos. Engana-se, porém, que acha que pelo fato de serem mais resistentes, esses tipos de madeira não necessita de cuidados. Apesar de longa vida útil, quanto mais proteção for aplicada, menos problemas podem vir a surgir.

Existem dois tipos de deterioração: a biológica (geralmente causada por fungos e insetos) e a causada pelas intempéries climáticas. O Cedrinho, por exemplo, tem baixa resistência ao ataque de cupins.

Se a madeira for tratada quimicamente, a qualidade e a longevidade da peça serão longas, necessitando apenas de manutenção esporádica. Se não, é importante fazer uso de selantes, vernizes apropriados e impermeabilizadores.

Construção civil interna No caso de madeira serrada para vigas, caibros e tábuas utilizadas em estruturas, os tipos mais utilizados incluem: Peroba-Rosa; Rosadinho; Itaúba; Angico-Preto; Eucalipto. Sendo este último tipo madeira gerada de reflorestamento.

Telhado, forros e assoalhos Para utilização interna cujo fator estético é importante, alguns tipos de madeira considerados decorativos (com riscos e “desenhos”) são os mais utilizados pelos construtores. Geralmente, esse tipo de material deve unir segurança, durabilidade e beleza, já que ficarão expostos e muitas vezes farão parte, literalmente, da composição decorativa.

Para o telhado, a Garapeira e o Cambará são dois tipos indicados. Ambos, porém, precisam de manutenção constante, e vários cuidados protetores, por causa da baixa resistência à umidade, podendo apodrecer se não forem tratadas corretamente.

É possível utilizar também a Itaúba e a Peroba, que são mais resistentes. Para os forros e painéis de parede os tipos mais comumente usados incluem a Macaúba, o Louro (em suas várias espécies), o Marfim, o Pau-Amarelo (alta resistência ao ataque de cupins) e o Mogno (também conhecido por seu uso na fabricação de instrumentos musicais).

Se a intenção for um ambiente claro, o Marfim é o mais indicado, porém tem um custo alto e não é uma madeira muito popular.

Por isso sua utilização limita-se ao efeito estético final de uma obra. Para assoalhos e pisos, recomenda-se escolher o tipo da madeira conforme o trânsito de pessoas do lugar. Isso porque alguns materiais são facilmente riscáveis. A Peroba-Rosa é uma das mais utilizadas para tacos e parquets.

Outros tipos igualmente utilizados são o Angico-Preto, a Aroeira, a Macacauba, o Ipê, o PauAmarelo e o Pau-Darco. Dentre estes, o Ipê é altamente resistente a grandes fluxos de pessoas e também ao ataque de cupins. Portas e Janelas A variedade de materiais usados na fabricação de portas e janelas é um fator vantajoso para a questão estética.

Significa que há muitas opções, cores e outros itens que podem tornar as portas e janelas uma verdadeira atração na casa. Portas e janelas de madeira valorizam a residência como um todo, mas devem receber atenção especial, pois ficam expostas a adversidades. A manutenção deve ser constante, para afastar o risco de pragas e manter a beleza do material.

Em projetos mais rústicos, a madeira dá ares de campo e sofisticação ao mesmo tempo. Os tipos mais viáveis na fabricação de janelas e esquadrias incluem Acapu, Angico-Preto e o Pinho-de-Riga.

Para portas, madeira maciça. É importante que recebam tratamento adequado (selantes, vernizes, etc.) principalmente se tratarem de portas externas. A Itaúba, o Cedro Rosa e o Jequitibá Rosa são alguns dos materiais recomendados.

Sustentabilidade Com o advento da consciência ecológica, não é necessário banir totalmente a madeira dos projetos de construção, mas é imprescindível que se tenha cuidado ao adquirir peças de madeira.

Segundo estimativa do Greenpeace Brasil, aproximadamente 80% da madeira produzida anualmente na região Amazônica é ilegal.

Por isso, antes de fazer qualquer tipo de aquisição nesse sentido, deve-se pesquisar a procedência do produto. Optar por materiais licenciados, de fornecedores confiáveis com certeza vai garantir uma construção livre de preocupações para todos, em todos os sentidos.

 

Share This